NOTÍCIAS

15 de março de 2017

Em Betim, movimentos sindical e social ocupam as ruas em protesto contra reformas de Temer


 Aos gritos de “ai, ai, ai, ai, a aposentadoria fica e o Temer sai” e “Temer golpista”, as principais lideranças sindicais, de movimentos sociais e populares de Betim, além de trabalhadores de diversas categorias profissionais, saíram às ruas do município nesta quarta-feira, 15 de março, Dia nacional de Mobilização e Luta contra as reformas da Previdência e Trabalhista do governo Michel Temer, em manifestações que se espalham por todo país.

 
Os protestos do dia começaram ainda de madrugada, quando, sob a liderança de representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, foram realizados protestos nas portarias das empresas Teksid e Nemak, seguido de um ato em frente à portaria da Refinaria Gabriel Passos (Regap). 
 
Em seguida, após concentração na praça localizada em frente à escola de mecatrônica do SESI/SENAI, os manifestantes saíram em passeata pelas principais ruas e avenidas de Betim, denunciando os prejuízos que os trabalhadores e a população em geral terão caso as reformas da Previdência e Trabalhista sejam aprovadas, da maneira como estão sendo debatidas pelo governo de Michel Temer.
 
Durante a passeata, diretores do nosso Sindicato distribuíram uma carta aberta aos comerciantes e à comunidade em geral, em que fazem um alerta sobre os prejuízos com a perda de direitos e os retrocessos promovidos pelo atual governo.

 

 

PREJUÍZOS

 

O principal argumento do governo para defender a reforma da previdência seria o déficit do setor, o que, no entanto, já foi desmentido por estudos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal. Segundo estes órgãos, as receitas da Previdência integram o orçamento da Seguridade Social, os quais, além dos benefícios previdenciários, inclui a Saúde e outros programas sociais, tais como o Bolsa Família.

 

 

Apresentada pelo governo Temer ao Congresso Nacional, a reforma da Previdência quer fixar a idade mínima da aposentadoria em 65 anos – tanto para os homens quanto para as mulheres – desconhecendo, desta forma, as enormes diferenças entre ambos os sexos. Além disso, com esta reforma, pretende-se alterar a forma de cálculo do benefício previdenciário, trazendo enormes prejuízos para aqueles que conseguirem se aposentar.
 

 

 

Além dos metalúrgicos de Betim, participaram das manifestações na cidade, representantes de sindicatos dos comerciários, rodoviários, construção civil, petroleiros, SindAsseio, União da Juventude Socialista (UJS), União brasileira de Mulheres (UBM), União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES), Federação dos Aposentados, metalúrgicos do Rio de Janeiro, o deputado estadual Geraldo Pimenta e o vereador Tiago Santana, além de representantes de associações de bairro da cidade.

 

 

 

FONTE: Imprensa do Sindicato 

 

Enquete

Boletim
Eletrônico

Cadastre-se e receba as
noticias do Sindicato
Rua Santa Cruz, 811 | Centro | Betim - MG | CEP 32600-028 | (31) 3539-6500 | metalurgicosdebetim@metalurgicosdebetim.org.br

Horários de funcionamento do Sindicato:
- Sede: 8h30 às 12h e das 13h às 18h.
Endereço: Rua Santa Cruz, 811, Centro - Betim.
Telefone: (31) 3539-6500.
- Subsede: 8h30 às 16h45.
Endereço: Rua Toyota, 222, bairro Jardim Piemont - Betim.
Telefone: (31) 3597-0260.

Visitas desde junho/2016: 328101
Sindicato dos Metalúrgicos de Betim e Região © 2017 All Rights Reserved.